https://1.bp.blogspot.com/-rWMHrrHQTkM/Xef-RiYiQmI/AAAAAAAABz8/6ooY01DWUJIolynFSxvD92V5G9uOE0gNACEwYBhgL/s72-c/WhatsApp%2BImage%2B2019-12-03%2Bat%2B16.23.44.jpeg

Em audiência pública, Célio Studart defende fim do abate de jumentos

Nesta terça-feira (3), o deputado Célio Studart (PV-CE) presidiu audiência pública sobre o abate e comercialização da pele de jumentos real...
Nesta terça-feira (3), o deputado Célio Studart (PV-CE) presidiu audiência pública sobre o abate e comercialização da pele de jumentos realizada na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS). O parlamentar destacou que com o alto índice de abandono desses animais, os jumentos viraram alvos de um comércio cruel e criminoso. São capturados, mantidos em condições precárias e vendidos para abatedouros, sem nenhum tipo de fiscalização. “Isso é inaceitável. Estamos falando de animais que têm fome, sede e sentem dor. Nosso objetivo é acabar com o abate em qualquer frigorífico”, explicou.

Na audiência, a representante da Frente de Defesa dos Jumentos, Gislane Brandão, mostrou como esses animais têm vivido e a situação em que são encontrados. Apresentou um número enorme de mortes por desnutrição severa, falta de cuidados e doenças como anemia infeciosa equina e mormo, causada por bactéria que pode ser transmitida para o ser humano. Ainda assim, esses animais são abatidos e vendidos para o consumo humano sem qualquer preocupação sanitária.

Já a diretora técnica do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Vânia Plaza, lembrou da importância do Brasil ter sus próprias leis e atender aos interesses dos brasileiros, e não de outros países. Ela fazia uma referência ao caso ocorrido em janeiro deste ano, por meio de denúncia anônima, no qual 200 animais que seriam abatidos e exportados para a China morreram por falta de água e comida. Ressaltou também que a solução para os jumentos não é o abate, mas sim a criação de politicas públicas a curto, médio e longo prazos.

O deputado aproveitou para lembrar das outras formas de exploração sofridas pelos jumentos, que ainda são usados como tração de carroças em várias partes do Ceará e atração para turistas nas praias, onde são pintados, decorados e obrigados a carregar pessoas o dia todo. Célio repudiou a forma com que esses animais são tratados.

Também participaram, como expositores, a bióloga e representante da ONG The Donkey Sanctuary, Patrícia Tatemoto, o diretor da ADAB – Agência de Defesa Agropecuária da Bahia, Rui Leal, e o assessor  de assuntos socioambientais do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Francisco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário